10.28.2007

Ibo

Os mortos sempre copiaram os vivos. Habitam os mesmos lugares, ocupam morros em casas com vista privilegiada ou dispersam-se por periferias a perder de vista. A última habitação surge como um prolongamento da sua vida, denotando sinais de ostentação de uma anterior vivência, em contraponto a outros cujo desfecho de uma vida difícil apenas lhe permite uma passagem fugaz pelo recinto sagrado.
Os indícios de tal assimetria atenuam-se quando alguém subverte o sistema com alguma dose de humor. No pequeno cemitério da povoação de Ibo, em Moçambique, uma sepultura executada a partir de uma janela pisca o olho a um satélite ao serviço do google earth.
ps. um agradecimento ao Pedro Nogueira que passou a mensagem.

1 Comentários:

Blogger Ver disse...

Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse.
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.

29/10/07 09:00  

Enviar um comentário

<< voltar